A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do processo da busca. E ensinar e aprender não pode dar-se fora da procura, fora da boniteza e da alegria. Paulo Freire

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

I CONCURSO LITERÁRIO 2014 - HISTÓRIAS NATALINAS


Do tronco comum do respeito brotam diferentes ramos, convergindo para a convivência pacífica que leva a construção social da civilidade e da liberdade, sempre condicionadas e atentas às exigências da justiça.”
Maria Kadespiel.

ORIENTAÇÕES:
  • ESCREVA UMA HISTÓRIA NATALINA E IDENTIFIQUE OS VALORES CONTIDOS NA SUA HISTÓRIA, LISTANDO-OS ABAIXO DO TEXTO;
  • ENTREGUE O TEXTO ESCRITO NA BIBLIOTECA DA ESCOLA PARA SELEÇÃO DO I CONCURSO LITERÁRIO 2014HISTÓRIAS NATALINAS;
  • INSCRIÇÕES ATÉ 28 DE NOVEMBRO DE 2014.
REGULAMENTO: I CONCURSO LITERÁRIO 2014
Histórias Natalinas

1. Quem pode participar
O concurso é destinado a alunos e alunas da E. E. E. P. Wellington Belém de Figueiredo, sem restrição de idade e/ou cursos, e que participem com textos inéditos, escritos originalmente em português.
Entende-se por “textos inéditos” os trabalhos em formato completo, acabado, e não publicado.
Cada concorrente poderá inscrever apenas 01 (um) texto no Concurso. A inscrição é gratuita.

2. Gênero
Serão aceitas somente obras no gênero narrativo. Não há restrição temática para a história, mas todas elas precisam narrar acontecimentos natalinos.
Após escrito o texto o(a) autor(a) deverá listar valores contidos na história narrada.

3. Período de Inscrição
O período de inscrição e entrega dos textos será até 28 de novembro de 2014.
Só serão aceitas as inscrições que tiverem o texto escrito e anexado até 28 de novembro de 2014, impreterivelmente, sendo considerada essa a data limite para entrega na Biblioteca da Escola.

4. Como realizar a inscrição
Entregue o texto escrito na Biblioteca da Escola e preencha sua ficha de inscrição até o dia 28 de novembro de 2014.
No ato da inscrição o texto deverá ter as páginas numeradas pela funcionária da Biblioteca e grampeadas na ficha de inscrição. Na ficha de inscrição deverão constar o título do texto, o pseudônimo do autor, data de nascimento, endereço e telefone.
A inscrição do texto já caracteriza a aceitação, por parte do(a) autor(a), das regras do concurso e também o(a) compromete como responsável pelas informações prestadas e o(a) reconhece como sendo o(a) único(a) autor(a) da narrativa inscrita.
Poderão ser inscritos originais com ilustrações, porém apenas o texto será julgado. Havendo publicação do texto no blog da escola.
Não serão aceitos textos que tenham mais de uma autoria.
Não haverá devolução dos textos inscritos.

5. Avaliação
Os textos inscritos serão avaliadas por uma Comissão de seleção formada por membros da Área de Linguagens e Códigos da Escola. A Comissão de seleção será soberana em suas decisões e se reservará ao direito de não realizar a premiação do concurso caso as narrativas não atinjam a qualidade literária esperada.

6. Resultados e premiação
O resultado do concurso será divulgado até o dia 08 de dezembro de 2014 no blog da Escola, no Informativo da Biblioteca e no Mural Informativo da Escola.
O autor selecionado receberá a informação do resultado por e-mail ou telefone.
O autor selecionado receberá premiação em livros e terá seu texto publicado no blog da Escola.

7. Disposições finais
· Não poderão participar deste Concurso alunos provenientes de outras escolas.
· Ao realizar a inscrição neste concurso, os concorrentes expressam seu aceite a todas as disposições contidas neste regulamento.
· O não cumprimento de qualquer das disposições envolvidas neste regulamento acarretará na inabilitação do/a autor/a concorrente.
· Os casos omissos neste regulamento serão avaliados e decididos pela Comissão de seleção.
· Em caso de dúvidas relacionadas à inscrição, informe-se na Biblioteca da Escola.

Numa determinada história, a verossimilhança se constitui pela lógica impressa nos fatos narrados.

Narrar, relatar... tudo parece fazer parte de nossa rotina enquanto seres eminentemente sociais. Narramos uma história ocorrida conosco ou até mesmo com outras pessoas, ouvimos também outras tantas, sejam elas verdadeiras ou não, relatamos um acontecimento por nós presenciado, enfim, muitas são as circunstâncias em que nos encontramos narrando algo. Seja por meio da oralidade, seja pela escrita, todo interlocutor espera, ao menos, que aquilo que contamos tenha um início, meio e fim.

Numa história, a cada novo acontecimento vão surgindo fatos que desencadeiam outro; tudo parece ir se complicando, chegando a um ponto máximo, até que, enfim, ou tudo se resolve ou a história toma rumos inesperados pelo próprio leitor/ouvinte. É natural, pois faz parte da trama, do enredo. E é sobre esse desencadear de ações que apostamos nossa discussão acerca de um importante elemento que norteia o gênero narrativo:
a verossimilhança.

Para compreendê-la, devemos partir do pressuposto de que os fatos não precisam ser verdadeiros, isto é, correspondentes à realidade, mas que sejam dotados de lógica, coerência, pois o que se espera é que eles façam sentido. Ainda que inventados, precisam satisfazer às expectativas do interlocutor, de modo a fazer com que ele encontre sentido naquilo que está compartilhando. Caso contrário, as ideias ficarão incompreensíveis, vagas. Tal aspecto se deve ao fato de que quando estamos lendo, parece que mergulhamos naquele universo, e mais: o que na realidade é fictício, à medida que vamos estabelecendo familiaridade, parece se tornar real, tamanha é a organização dos fatos, levando em consideração a forma como eles nos são repassados.
Acredite! Isso é verossimilhança!
TRABALHANDO A ESCRITA:
IDENTIFICANDO VALORES EM HISTÓRIAS NATALINAS.

Bom Trabalho.

Participe!

Professora Luciana França
Biblioteca da EEEP Wellington Belém de Figueiredo

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário! Siga o nosso Blog e veja as principais notícias da EEEP Wellington Belém de Figueiredo.